RSS

Minha saída do Livro das caras

14 ago

Buenas, caros amig@s reais e virtuais.

Anuncio aqui que estarei encerrando minha conta no Facebook (o que eu já deveria ter feito há muto tempo) nos próximos dias e explico as razões a seguir:

Estamos vivendo a era do capitalismo do vigilantismo, onde os metadados das pessoas são o novo petróleo.

Quem me conhece ou acompanha minhas postagens em mídias sociais livres como Diaspora, GNU Social e rede Matrix (onde uso o cliente 100% livre Riot) pode constatar que acredito no empoderamento das pessoas através de meios que possibilitem a livre expressão sem censura, mineração de dados e vigilantismo, onde Facebook (Livro das caras) vai de encontro a estas premissas.

Sei que algumas pessoas que estão na minha lista de amig@s reais e virtuais não entenderão minha decisão devido ao grau de alienação cognitiva em que se encontram (e respeito, pois cada um tem seu tempo para entendimento), pois deverão reavaliar sua permanência numa mídia social que cerceia a liberdade de expressão, uma vez que limita as postagens a um certo número de contatos que o algoritmo do Livro das caras elege, assim como repassa informações de seus “usuários“ a NSA, governos, empresas e a quem pagar mais, entre outras coisas.

Quero aqui espraiar que esta é minha opinião pessoal ao estudar os efeitos psicológicos que algumas mídias sociais exercem sobre seus usuários (leia-se “usados).

Imagino que algumas pessoas irão se identificar com estes argumentos, outras não entenderão e algumas irão parar de ler antes de chegar a este ponto.

Já pararam para pensar do que sobrevive o Livro das caras? Tu pagas para usar o serviço?

Facebook (Livro das caras) é uma das empresas mais valiosas do mundo. Quando não pagamos por um produto e este produto pertence a uma empresa, somos o produto.

Saliento que meu objetivo através desta mensagem não é tentar convencer a pessoas a cancelarem suas contas no Livro das caras, mas sim estimular a reflexão a respeito.

Lembaras daquela sensação que tínhamos antigamente quando recebíamos uma carta? Era muito legal saber que alguém tinha dispendido um espaço de tempo para enviar uma mensagem somente para nós, não é?

A sensação de receber um e-mail ainda é algo muito legal (pelo menos para mim).

Curtir fotos e comentários hoje no Livro das caras se tornou, de maneira genérica, algo mais do ponto de vista de “consideração” do que propriamente vontade de fazê-lo.

As mídias sociais há muito tempo não são sociais: são sistemas de alimentação do ego através de um sofisticado sistema de recompensa e reforços positivos baseados em curtidas.

Pense nisso!

Possuo e-mail, celular, Diaspora, GNU Social e Riot. Isso significa que se alguém quiser verdadeiramente entrar em contato comigo, o fato de não ter uma conta no Livro das caras não impede de fazê-lo.

Mas tem uns grupos legais no Livro das caras…”

Sim, concordo que existam algumas informações relevantes sobre vários assuntos nesta plataforma, porém não é o conteúdo que a torna “legal”, mas sim determinados assuntos nela tratados. Estes debates podem continuar em mídias sociais livres que respeitam seus usuários e que os empoderam, como por exemplo, Diaspora, GNU Social, Rede Matrix (que pode ser usado pelo cliente Riot), entre outras.

Estarei cancelando minha conta daqui a alguns dias. Porque esperar? Porque quero dar tempo para que meus amigos reais e virtuais possam ler isso e refletirem a respeito. Se me convencerem de que estou errado, revogo minha decisão.

Aproveito para convidar que participem da mídia social livre e federada Diaspora aqui: https://diasporabr.com.br

Anúncios
 
8 Comentários

Publicado por em 14 de agosto de 2017 em Privacidade, Serviço Social

 

Tags: , , ,

8 Respostas para “Minha saída do Livro das caras

  1. Lunovox

    18 de agosto de 2017 at 07:05

    Gostei da declarações sobre os motivos de ter saido do Caralivro.

    Curtir

     
  2. Thiago Canuto

    15 de agosto de 2017 at 10:36

    Então… hoje também dou preferencia ao Diáspora, e já a um bom tempo (talvez já alguns anos, não me recordo ao certo) que eu parei para ficar olhando e lendo as postagens do Facebook. Posso dizer que sou mais divulgador do que leitor por lá, já que tudo que posto no Diáspora, compartilho também no Facebook e Twitter, que é outra rede social que a alguns anos já não uso de forma direta.

    Mas fazer o que né? A maioria das pessoas, as massas, não se importam com a sua privacidade ou até mesmo ser mais um “cliente” ou “produto” desta redes sociais, mas sim querem os benefícios que elas acreditam que trazem para elas. Não posso negar também que através do Facebook reencontrei muitos amigos que não via a anos, mas que na verdade a maioria pelo menos ficou registrado na amizade virtual, sem um reencontro formal.

    Mas enfim, reconheço que não posso falar mau, pois um dia eu também bebi desta fonte.

    Curtir

     
    • Thiago Canuto

      15 de agosto de 2017 at 10:40

      Há… mas também o que ajudou nesta decisão e me forçou a desinstalar o Facebook e Twitter do smartphone foi justamente devido aos vários travamentos com estes aplicativos, ai tive que priorizar os que mais uso, como o Telegram e de reserva (infelizmente para mim) o WhatsApp. As pessoas ainda tem resistência a largarem o que é popular, mas não o melhor atualmente.

      Curtir

       
    • CDausacker

      15 de agosto de 2017 at 17:06

      O importante é que estamos evoluindo. Pior seria constatar um erro e continuar repetindo-o.

      Curtir

       
      • Thiago Canuto

        4 de outubro de 2017 at 12:27

        Não vejo como um erro, mas sim como opção de escolha de querer usar o que é livre.

        Curtir

         
  3. Euler Neto

    14 de agosto de 2017 at 16:28

    Decidi excluir meu perfil do Facebook de uma vez por todas no começo de 2016. Planejava fazer isso a muito tempo mas sempre pensava no que deixaria de fazer e nos contatos que perderia fazendo essa ação. Até que um dia decidi simplesmente excluir o perfil e passar a adaptar minha vida como uma “pessoa-sem-facebook”, coisa que é impensável para alguns. Foi difícil no começo e realmente me afastei de algumas pessoas (que mostra que eram apenas “amigos” de rede social) mas posso dizer que minha vida melhorou e muito.
    Parabéns pela atitude!

    Curtido por 1 pessoa

     
    • CDausacker

      14 de agosto de 2017 at 16:47

      Buenas, Neto. Infelizmente muitas pessoas acham que Facebook = internet. Internet vai além disto. Grato pelo comentário.

      Curtir

       
    • Thiago Canuto

      15 de agosto de 2017 at 10:28

      Verdade Euler… amigos de rede social temos muitos. Mas também não nego que através do Facebook reencontrei vários amigos de anos que não nos falávamos. Mas enfim, a maioria infelizmente ainda fica de amizade de rede social apenas.

      Curtir

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: